O Indivíduo, a Sociedade, o Conhecimento (Matemático) e a Educação (Matemática)

Resumen

Este trabalho é de natureza teórico-bibliográfica. Nele, abordam-se os papéis desempenhados pelo indivíduo e pela sociedade no que respeita à construção do conhecimento, com ênfase ao conhecimento matemático. Almejando-se identificar quem (Indivíduo? Sociedade? Ambos?) cria/criou, no decorrer histórico, o conhecimento, inclusive o conhecimento matemático, faz-se, na presente investigação, uso, como base teórica, do pensamento complexo de Edgar Morin, assim como de pontos comuns a esse pensamento e à noção de identidade apregoada por Claude Dubar. A adesão do autor deste artigo à visão complexa a propósito da identidade de quem produz historicamente o conhecimento (sempre levando em conta a criação do conhecimento matemático) tem a ver, em grande medida, com sua defesa do princípio de que há relações entre sujeito e objeto, e entre indivíduo e sociedade. Enfim, são frisados e/ou estabelecidos liames, pelo autor do texto, entre, de um lado, a concepção complexa acerca da identidade de quem constrói, ao longo do tempo, o conhecimento (com destaque, no artigo, ao conhecimento matemático) e, de outro lado, a Educação e sua história, com realce do autor da investigação à Educação Matemática.

Biografía del autor/a

L?nio Fernandes Levy, Universidade Federal do Par? (UFPA).
Licenciado em Matemática (UFPA), com mestrado em Educação Matemática (UFPA) e doutorado também em Educação Matemática (UFPA). Professor efetivo (Adjunto III) do Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN) da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Citas

Abbagnano, N. (2000). Dicionário de filosofia. Tradução da 1ª edição brasileira coordenada e revista por Alfredo Bosi; revisão da tradução e tradução dos novos textos por Ivone Castilho Benedetti. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Dubar, C. (2005). A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Tradução de Andréa Stahel M. da Silva. São Paulo: Martins Fontes.

Fara, P. (2014). Uma breve história da ciência. [versão brasileira da editora]. 1. ed. São Paulo: Fundamento.

Japiassú, H., Marcondes, D. (1996). Dicionário básico de filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Levy, L. F. Pode-se aprender matemática através da investigação de casos particulares?. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 287-301, nov. 2016. ISSN 1982-5153. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/1982-5153.2016v9n2p287. Acesso em: 06 jan. 2019. doi: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2016v9n2p287.

Morin, E. (1999). O método 3: o conhecimento do conhecimento. Tradução de Juremir Machado da Silva. 2. ed. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. (2002). Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaia. 6. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO.

Morin, E. (2003). O método 5: a humanidade da humanidade. Tradução de Juremir Machado da Silva. 2. ed. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa. 4. ed. Porto Alegre: Sulina.

Morin, E., Kern, A. B. (2002). Terra-pátria. Tradução de Paulo Azevedo Neves da Silva. Porto Alegre: Sulina.

Tunes, E. (1995). Os conceitos científicos e o desenvolvimento do pensamento verbal. In: Oliveira, M. K. (Org.). Implicações pedagógicas do modelo histórico-cultural. Campinas: Papirus, pp. 29-39. Caderno CEDES, n. 35.

Publicado
2019-05-02
Sección
Artículos